Todos contra a Mini-Hídrica de Sistelo

Sistelo, Porto Cova cópiaOs arcuenses, e todos os que gostam do Rio Vez e da manutenção do património natural preservado, devem participar na consulta pública que está a decorrer até ao dia 5 de Junho (sexta-feira).

O processo é simples: escrever um texto, dirigido ao Presidente do Conselho  Diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente e envia-lo por correio electrónico, correio terrestre, fax ou entrega-lo em mão na Câmara Municipal de Arcos de Valdevez ou CCDRn. Devem ficar com uma prova de entrega… pelo sim pelo não!

Para ajudar, fiz uma minuta que pode ser utilizada. Só tem que colocar a vossa identificação (não se se o BI é essencial, mas pelo sim pelo não…), e escrever o que vos vai na alma!

Modelo Participacao EIA

Álvaro Amorim

Um crime em Arcos de Valdevez

Rio Vez em Sistelo
Rio Vez em Sistelo

É inacreditável que o projecto da uma barragem em Sistelo esteja prestes a avançar!

É um projecto antigo que sempre opôs as populações locais à EDP. Agora, nos segredo dos gabinetes está a avançar, estando em discussão pública o seu impacto ambiental:

Aproveitamento Hidroelétrico de Sistelo

É altura de, como no passado, as populações se levantarem e não deixarem destruir o nosso património natural.

É este concelho que o sua excelência o Sr. Presidente da Câmara de Arcos de Valdevez , Dr. João Manuel, defende, quando vai fazer discursos de circunstância, com muitos milhões de euros, em conferências de áreas protegidas?

A “Nova” Ponte de Santar

Ponte sobre o Vez, SantarA Ponte de Santar, tal como toda a ligação de Souto a Paçô, estava a precisar de obras. E, finalmente, elas foram feitas… Mas apenas na ponte, claro.

A Ponte de Santar, era uma obra de arte característica, com o tabuleiro em ferro associado a apoios em granito, típicas de uma época de construção em Portugal. Com as obras efectuadas, não só se recuperaram, e bem, as amparas laterais, como se substituiu o tabuleiro. E, quando digo substituiu, é que foi mesmo substituído no material e no conceito! Do antigo tabuleiro em ferro, só lembranças, porque o novo é em cimento, o novo material nobre em Arcos de Valdevez.

Há quem pense que só pontes medievais são monumentos a visitar. Mas outras, como a ponte centenária na vila, também descaracterizada quando lhe colocaram o piso e retiraram os candeeiros típicos, são procuradas por gente que tem interesse pela história do nosso país. Outras há, que estão escondidas…, mas disso falarei mais tarde, ou não. Por vezes as coisas estão bem, escondidas de certos “fazedores de obra”!

É lamentável que, de uma forma tão leviana, se descaracterizem estas obras de arte, que muito enriqueciam o concelho, e não se controlem “tradições” que começaram há meia dúzia de anos e que afugentam turistas.

A Ponte de Santar deixou de ser uma obra única para ser mais uma ponte em betão armado, com uns apliques de granito e ferro.

E, porque um concelho desenvolvido tem que ter filas de trânsito, colocaram-se semáforos para que o transito não fluísse normalmente, como nas últimas décadas. É certo que às vezes tínhamos que recuar um pouco, mas nada que um pouco de boa educação não resolvesse. Se assim não fosse, estávamos mal em tantas estradas municipais onde não passa um carro por outro e se tem que procurar um ponto mais largo da via para, a muito custo, lá se conseguir continuar a marcha.

Álvaro Amorim

 

Rio Vez

Algumas fotos deste ano, na Praia da Valeta.

Provavelmente a mais bela Ecovia do Alto Minho

Pesqueira no Rio Vez
Pesqueira no Rio Vez

A Ecovia do Vez-Lima, será, quando concluída, provavelmente a mais bela ecovia do Alto Minho e, consequentemente, uma das mais bonitas do país.

Apesar de não estar concluída, já é possível percorrer alguns troços, a pé ou bicicleta e, com audácia, atravessar os ribeiros a vão. Com inúmeras construções humanas, moinhos, pesqueiras, etc, e uma fauna e flora impares, o percurso que margina o Rio Vez, é o deleite para cada visitante.

Já consegui fazer o percurso entre o campo da feira, em Guilhadezes, e a Fonte Santa, em Padreiro. Com alguns declives que, não sendo complicados, podem trazer alguma adrenalina, é um pouco mais “selvagem” que a ecovia da margem esquerda do Lima. Com uma vegetação ripícula abundante, sobretudo na parte do Rio Vez, pode ser feita a qualquer hora do dia, havendo sombra abundante.

A única preocupação é que a obra, para o qual estão previstos mais de 600 mil euros, não terá uma consolidação do piso. Se não houver esta consolidação, tal como foi feito na margem esquerda do Lima, não só a ecovia terá danos graves com as intempéries, como haverá um crescimento exagerado das plantas indesejáveis, para além de que, em alguns locais, o piso arenoso torna-se incómodo para as bicicletas. Há ainda locais que precisam de ser convenientemente drenados e as águas provenientes dos campos vizinhos dirigidas para colectores adequados.

De resto, como já referi anteriormente, a Ecovia em Arcos de Valdevez, só peca por tardia. E, talvez por causa disso, se quisermos ir até Ponte de Lima, teremos de subir à EN202, entre o Carregadouro e Refoios.

Pesqueira no Rio Vez
Pesqueira no Rio Vez

AA

Fotos cortesia de Fernado Gomes

Um lugar esquecido…

As margens do Rio Vez estão pouco valorizadas em termos turísticos. E lugares como o “nosso” piolho são pouco divulgadas! Vale a pena apreciar…

Para quem não conhece a localização:

Arcos Primaveril

Ainda não estamos na Primavera, mas as poucas flores que a vila tem começam a aparecer!