Qualidade da água na Praia da Valeta

ImagemNo artigo anterior, referi o facto de a Praia da Valeta não ter direito a bandeira azul e ao facto de o executivo municipal pouco investir neste que é o ex-libris das nossas terras.

Recentemente saíram notícias na imprensa sobre um relatório da Quercus em que dava a qualidade da água da Praia da Valeta como má. Um comunicado do executivo municipal refere que os valores deste relatório se devem aos reportados em 2011 pelo SNIRH, que o próprio executivo contestou.

Independentemente de quem tenha razão, temos que defender algo que pode trazer riqueza ao concelho. O executivo tinha obrigação de se precaver, porque estes relatórios da Quercus são frequentes, e junto das entidades que realizam a monitorização garantir que há dados recentes e fiáveis para serem utilizados.

A credibilidade das autoridades é essencial para garantir que as pessoas não fujam e a câmara não ficou no quadro, quando o ano passado não interditou imediatamente a praia, até garantir que a água estava em condições e justificando o aparecimento destes valores com as cinzas dos incêndios neste comunicado. Como é lógico, estas bactérias, coliformes fecais, a terem existido, vem de focos poluentes de esgotos domésticos… mas aí parecia mal á câmara aceitar tal coisa!

Os executivos do PSD, que governam a câmara há décadas, tem tido esta sina, a construção de grandes obras de regime e o parco investimento no que temos… não é feitio, é defeito mesmo.

AA

Qualidade da água na praia da Valeta

É com imensa pena que tive conhecimento que as análises à água da Praia Fluvial da Valeta, tem apresentado ao longo do Verão valores muito elevados de bactérias, quer Escherichia coli  e enterococos intestinais.

Segundo as análises do SNIRH – Sistema Nacional de Informação dos Recursos Hídricos, várias amostras ao longos dos dois últimos meses apresentaram estas bactérias, capazes de ser uma ameaça à saúde pública.

Análises à água da praia da Valeta, pelo SNIRH

O Rio Vez, que tem todas as condições para ser um rio limpo, cujo município que percorre tem um sistema de tratamento de águas, que os munícipes pagam mensalmente juntamente com a água, continua a apresentar focos de poluição que só podem envergonhar os responsáveis.

Mas, mais grave que as análises apresentarem focos de poluição grave, é as autoridades não informarem a população e não interditarem a praia. Alguém deveria ser responsabilizado, no mínimo por atentado à saúde pública por negligência.

Infelizmente, em Portugal, os responsáveis, ou políticos ou nomeados pelos políticos, continuam a atentar contra os seus deveres e nunca são responsabilizados. Estivéssemos num país desenvolvido e o vereador responsável a assim como delegados de saúde e responsáveis pelos recursos hídricos já teriam sido demitidos, ou punidos civicamente.

Neste caso, será também mais uma justificação para a construção da piscina exterior?