Assembleia Municipal de 24 de Abril

Pelourinho, Arcos de Valdevez
Pelourinho, Arcos de Valdevez

A segunda Assembleia Municipal do ano, realiza-se sempre perto da efeméride do 25 de Abril de 1974.

Assim, todos os grupos municipais fizeram a sua intervenção no período antes da ordem do dia, relativamente a este tema. De todos, e como costume, só o Grupo Municipal do CDS-PP chamou à atenção que o 25 de Abril só terminou no 28 de Novembro de 75, quando finalmente a possibilidade de uma nova ditadura ficou de parte.

Uma coisa é certa, muita coisa aconteceu nos últimos 41 anos da História de Portugal. E, por 3 vezes perdemos a soberania com intervenções estrangeiras, duas vezes às mãos desse paladino da liberdade e democracia, Mário Soares, que se recusa a ir às comemorações da Assembleia da República porque não gosta de quem está no governo, e a última de José Sócrates. Ambos lideres admirados do PS, como se pode ver pelas romarias a Évora e às opiniões sempre aplaudidas do ex-Presidente da República.

Esperemos que o próximo salvador da pátria, vindo destes lados, não nos tente levar à 4ª intervenção e acabemos como a Grécia.

Voltando às questões locais, ainda no período da ordem do dia, agradeci aos Bombeiros Voluntários de Arcos de Valdevez o empenho que já demonstraram este ano relativamente aos inúmeros incêndios que já aconteceram. Alertei para o facto de a Proteção Civil de Arcos de Valdevez ter de planear a proteção à floresta numa perspectiva diferente de “época de incêndios” a começar em Junho e acabar em Setembro. As alterações climáticas são uma realidade e cada vez temos períodos mais secos, assim como chuvas fortes, em períodos fora dos “tradicionais”!

O Sr. Presidente da Câmara respondeu que os incêndios são uma preocupação e que este ano já ardeu mais que o ano passado, enumerando então um conjunto de acções que está a preparar. O que  Sr. Presidente não percebeu, é que essas medidas já deviam estar no terreno e que, actualmente, a época de incêndios é de Janeiro a Dezembro. As equipas de intervenção rápida tem que estar disponíveis sempre que o nível de humidade na atmosfera e junto ao solo o justifique, seja Verão ou Inverno.

Nos pontos de ordem, destaque para a prestação de contas (ao qual dedicarei um artigo), cujo relatório é por norma discutida na segunda reunião da Assembleia Municipal de cada ano.

Também já recorrente nas Assembleias Municipais, é a aprovação de protocolos com as freguesias. Nestes, houve a novidade de as verbas serem 25% mais elevadas, para cada freguesia, passando de 20 mil euros para 25 mil euros. Naturalmente sou a favor destes protocolos, pois as juntas de freguesia não tem recursos para fazer tudo o que precisam e a Câmara Municipal tem que dar uma ajuda. Aqui, o problema é a falta de critérios para a atribuição destes apoios, ou melhor, a utilização do critério “igual para todas”. Isto faz com que algumas freguesias se sintam injustiçadas, nomeadamente as que resultaram da união das antigas freguesias. A resposta do Sr. Presidente da Câmara a esta crítica, é que atribui “de acordo com a necessidade”. Mas, freguesias diferentes, com áreas distintas e populações distintas, tem necessidades diferentes. A utilização de critérios objectivos, como o governo faz, e este tantas vezes criticado por se imiscuir nos assuntos locais, levaria a uma maior justeza na distribuição da fracção orçamentada anualmente para as freguesias. É algo que me custa a entender, a recusa reiterada do estabelecimento destes critérios.

Foram ainda aprovados as minutas dos protocolos com as juntas de freguesia para a contratação de cantoneiros e um regulamento para a toponímia. Ambos são bem vindos e foram aprovados por unanimidade. Apenas houve uma alteração pontual relativamente ao regulamento da toponímia e uma recomendação do CDS-PP, acolhida por todos, para repensar o desenho das placas identificadoras dos locais de forma a que sejam uma imagem de marca de Arcos de Valdevez

Relativamente aos cantoneiros, só posso dizer que é uma medida positiva e que só perca por tardia, porque já há muitas vias para serem limpas. Algumas até já sujeitas a ervicida que as tornam desagradáveis. E, se nos queremos sentir bem e também dar uma imagem acolhedora a quem nos visita, as bermas das estradas e caminho devem estar limpo mas não mortos, neste concelho que como o Sr. Presidente da Câmara diz, e bem, faz parte da “Reserva da Biosfera”!

Álvaro Amorim

Wikimapia

O Wikimapia, é um local onde podemos delimitar áreas e associar fotos. Já existem algumas áreas delimitadas no concelho de Arcos de Valdevez.

Utiliza mapas semelhantes aos do Google (não sei se a fonte é a mesma…), mas permite-nos fazer umas brincadeiras.

Alguns locais de Arcos de Valdevez:

Távora Santa Maria

Vila de Arcos de Valdevez

Grade

Ermelo

Soajo

No caso das freguesias, os limites devem estar um pouco a olho, ou, no caso de Soajo, é só uma parcela.

É uma ferramenta muito interessante.

AA

Assembleia Municipal – Orçamento

Como referi no post anterior, o ponto mais importante nesta reunião da Assembleia Municipal, era o Orçamento do Município para 2011.

Como disse um deputado municipal do grupo do PS, o documento é tecnicamente correcto. As despesas igualam as receitas.

O mais evidente neste orçamento, foi a sua diminuição em cerca de 15% (um valor um pouco superior as 5 milhões de euros). Não tenhamos dúvidas que, este orçamento é fortemente influênciado pelo má gestão do PS a nível central, partido que nos governa desde 1995, com uma pequena interrupção, de pouco mais de 2 anos.

Continue lendo “Assembleia Municipal – Orçamento”

Roubaram a Amália…

É verdade, depois de um enorme esforço da autarquia para ter a obra pronta no dia da República, escolhendo uma personagem símbolo deste modelo democrático, tendo os operários passado noites inteiras a trabalhar para terminar… roubaram a Amália!

Quem passou na rotunda da República no fim de semana de 23/24 de Outubro, deparou-se com o cenário desolador da ausência do busto da enorme cantora.

Os turistas, neste fim de semana já não podem fazer o percurso completo: Cavalos sem pernas, Relógio d’água, mercearia da rosinha (ou lá como se chamava…), busto da República com cara de Amália… Continue lendo “Roubaram a Amália…”

Assembleia Municipal – Ordem do dia

Esta assembleia foi convocada para a aprovação de várias taxas, para o executivo poder elaborar o orçamento para o ano de 2011.

Havia, no entanto, mais dois pontos a ser discutidos. O primeiro relativo ao relatório de actividades e o segundo relativo ao regulamento da polícia municipal.

Continue lendo “Assembleia Municipal – Ordem do dia”

Ponte sobre o Rio Lima (Nó de Jolda)

No dia 22 de Setembro, foi assinado o auto de consignação da obra de construção da nova Ponte sobre o Rio Lima, entre Ponte da Barca e Arcos de Valdevez que vai ligar o nó de Jolda a Lavradas.

Apesar de, pessoalmente, considerar que esta ponte beneficia mais o concelho de Ponte da Barca, esta obra é uma via essencial para as populações que precisam atravessar o rio, de Ponte da Barca a Ponte de Lima. Quer seja os arcuenses que tem interesses na margem esquerda, quer as populações que pretendem aceder à margem direita, ou para apanhar a IC28 para Viana ou porque tem negócios deste lado no nosso município, vão ter benefícios significativos. Continue lendo “Ponte sobre o Rio Lima (Nó de Jolda)”

Ainda os Incêndios

Como não podia deixar de ser, os incêndios de Verão eram um tema incontornável.

O CDS-PP apresentou alguns números oficiais de área ardida em Arcos de Valdevez. Provavelmente, estes números pecam por defeito, ou seja, são bastantes maiores do que o que aparece nos relatórios.Santa Cristina
Continue lendo “Ainda os Incêndios”

Assembleia Municipal de 23 de Setembro

No dia 23 de Setembro, realizou-se mais uma Assembleia Municipal.

Parece ser normal, independentemente do dia e horas em que é marcada, esta reunião do órgão máximo do município arcuense, ser pouco participativo. As vindimas assim obrigam…

Continue lendo “Assembleia Municipal de 23 de Setembro”

Como o estado cuida das suas propriedades

Já toda a gente sabe como o estado faz a gestão das suas propriedades. Exemplos significativos de abandono, como o Forte da Ínsula, no Rio Minho, são demasiado frequentes. O Dr. José Hermano Saraiva apresentou muitos exemplos!

Em Arcos de Valdevez há muitos locais do estado abandonados. A começar nas antigas casas dos guardas florestais, imensas, até às recentemente abandonadas escolas do 1º Ciclo.

Antiga Escola 1º Ciclo Távora Santa Maria
Antiga Escola 1º Ciclo Távora Santa Maria

Continue lendo “Como o estado cuida das suas propriedades”

Olá Arcuenses! Olá Mundo…

Arcos no coração

Vou procurar manter neste blog, artigos relacionados com Arcos de Valdevez. Pelo menos, um artigo sobre a minha participação nas assembleias municipais de Arcos de Valdevez.

Os comentários, serão sempre bem vindos, desde que a linguagem seja adequada e não haja insultos a quem quer que seja.

Assim, qualquer comentário que seja considerado ofensivo ou inapropriado corre o risco de ser eliminado! Também espero que todos os comentários sejam devidamente assumidos por quem os coloque.

Álvaro Amorim