636,76 € é a dívida de cada arcuense feita pela Câmara

dividaSegundo o novo portal da transparência municipal, 636,76 € é a dívida do município por habitante. Comparando com o vizinho município de Ponte de Lima, onde cada munícipe tem uma dívida de 48,81€, a diferença é abismal.

Mas há outros indicadores que mostram quão erradas tem sido as políticas do PSD em Arcos de Valdevez, por muito que se elogiem e condecorem ex-presidentes da Câmara.

Apesar da dívida ser maior, o índice de devolução fiscal em Arcos de Valdevez é de 82%, contra os 93% do município vizinho.

Uma curiosidade relativamente à constituição de novas empresas. Arcos de Valdevez, apesar de ter um centro de incubação de empresas, a IN.CUBO que é um sorvedouro de recursos, tem uma menor taxa de criação de empresas, per capita. 0,13 entidades por mil habitantes em Arcos de Valdevez contra 0,23 entidades por mil habitantes em Ponte de Lima. Esta diferença será uma das causas da diferença no volume de negócios médio mensal,  106.114€/mês em Arcos de Valdevez e 193.626 €/mês em Ponte de Lima.

Depois há os clássicos, como indice de envelhecimento, cerca de 279 em Arcos de Valdevez contra 133 em Ponte de Lima, 183 em Ponte da Barca, 222 em Paredes de Coura. Pior que nós, no Alto Minho, só mesmo Melgaço. Mas isto não é novidade!

Arcos de Valdevez necessita de uma inversão total nas políticas, de forma a melhorar estes indicadores. Não há como aumentar a taxa de natalidade sem criar condições de fixação dos jovens casais. A conjuntura do país justifica alguma coisa, mas não justifica tudo. Ponte de Lima, está no mesmo país e tem melhores indicadores. Porque tem seguido políticas diametralmente opostas às dos executivos arcuenses, está a passar pelas dificuldades de uma forma bem mais suave que Arcos de Valdevez.

PortalÁlvaro Amorim

 

Gerês Granfondo

Soajo - Arcos de Valdevez
Soajo – Arcos de Valdevez

Todos reconhecemos que, quando se fala de Parque Nacional Peneda-Gerês, há uma associação clara ao Gerês, Serra do Gerês e Vila do Gerês.

Conseguir associar a Serra de Soajo, ou mesmo a Peneda, ao PNPG é uma tarefa tanto imprescindível como difícil de realizar, por isso, todas as acções que possam contribuir para isso seriam de saudar.

Pelo contrário, todas as acções que contribuem para realçar esta discriminação negativa dos territórios do parque relativamente ao Gerês, são maus.

Isto, a propósito da realização do “Gerês Granfondo“, a 15 de Junho.

Sendo a Câmara dos Arcos um patrocinador institucional, seria de esperar que esta prova, que pode ser uma forma de divulgação do PNPG muito interessante, tivesse o nome de Peneda-Gerês Granfondo.

A Serra do Soajo, e o próprio concelho de Arcos de Valdevez, sendo uma das áreas mais significativas do PNPG, continua a ser subvalorizado em detrimento do  Gerês… e a culpa só pode ser dos sucessivos executivos municipais de Arcos de Valdevez. Cada um, tem que olhar pelo seu território e não se pode estar à espera que as coisas caiam dos Céu.

AA

Assembleia Municipal de Fevereiro de 2014

1349747Na reunião da Assembleia Municipal, de quarta-feira, 26 de Fevereiro, foram aprovadas duas moções que são muito importantes para o município.

Uma, que o CDS Arcos tinha preparado, mas que foi substituída por uma elaborada em conjunto pelos diferentes grupos municipais, contra a passagem da rede de Muito Alta Tensão pelo concelho. A saúde pública é um factor essencial para esta decisão, mas a preservação do meio ambiente e de valores económicos como o turismo e a agricultura são também razões para nos opormos veementemente contra este projecto.

A moção foi, naturalmente, aprovada, apenas com a abstenção dos presidentes das juntas da Miranda e Monte Redondo.

O grupo Municipal do CDS-PP também apresentou uma recomendação ao executivo para, no âmbito da discussão do novo quadro de apoios financeiros, a ligação Monção-Braga não seja esquecida. O desenvolvimento que Braga pode proporcionar à economia de Arcos de Valdevez, não deve ser negligenciado, pois é umas das cidades mais importantes do país, a nível de população e economia, com centros tecnológicos de eleição.

O Sr. Presidente da Câmara defendeu, por seu turno, que o importante já estava feito, que era a ligação a Viana do Castelo e agora seria importante a ligação à Galiza, por causa do chegada dos emigrantes e do TGV. Não querendo desconsiderar os nossos queridos emigrantes e a vontade de chegarem a casa nas melhores condições, parece-me prioritário melhorar as condições de vida em Arcos de Valdevez, que recentes estudos põe em nível abaixo das nossas expectativas e até criar condições para os emigrantes regressarem de vez.

Ao contrário da última vez em que o CDS-PP apresentou esta proposta, agora foi aprovada por unanimidade. Espero que o Sr. Presidente, nos vários centros de decisão onde participa, tenha em consideração a vontade de todos os deputados municipais e se empenhe nesta solução.

Há ainda de referir a aprovação, também por unanimidade, de uma proposta, apresentada pelo PS, para rapidamente se encontrar uma solução para a falta de resposta no nosso concelho para as pessoas portadoras de deficiência.

Relativamente a este assunto, o CDS-PP também questionou o executivo, no ponto para a discussão do relatório de actividades do executivo. Foi pedido para apresentar o protocolo com a Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez, relativamente ao edifício do antigo seminário, da rua Padre Manuel Himalaia. O Sr. Presidente não respondeu, como ainda não deu essa informação solicitada pelo vereador eleito pelo CDS-PP. Alertei para para rapidamente arranjar uma solução, de preferência envolvendo também a APPACDM, que tem uma larga experiência na elaboração de soluções para as necessidades das pessoas portadoras de deficiência, ao que o Sr. Presidente respondeu que a referida associação nunca pediu para reunir com a câmara, ao contrário do que tem aparecido noticiado. Para mim, é essencial que uma solução seja apresentada rapidamente.

O Grupo do CDS-PP alertou ainda para os problemas que estão a ocorrer na contrição ecovia, problemas que se teriam evitado se o traçado tivesse sido devidamente planeado e acertado com os proprietários. Para mim, as obras, mesmo que essenciais, não podem ser construídas contra as pessoas e é obrigação da câmara não criar conflitos desnecessários com os arcuenses.

AA

6º destino mais valioso

Espigueiros de Soajo, 29/07/07
Espigueiros de Soajo

O Parque Nacional Peneda Gerês foi considerado pelo motor de busca Trivago, o 6º destino mais valioso, numa lista de 100 locais em todo o planeta.

Infelizmente, a parte do PNPG do concelho de Arcos de Valdevez ainda é pouco conhecida, ficando muito aquém da Serra do Gerês! Não é pouco frequente confundir o PNPG com o Gerês!

A valorização da Serra de Soajo é nula, aliás mal aparece nos mapas e muito menos em painéis nas vias de comunicação. O santuário da Peneda é conhecido em Arcos de Valdevez, Melgaço, Galiza e pouco mais.

Agora que sabemos que o turismo foi um dos motores que permitiu que 2013  já não fosse de recessão, é vergonhoso que Arcos de Valdevez continue a não ser divulgado como merece para atrair um turismo de qualidade que pode trazer mais riqueza ao concelho e melhores condições de vida aos arcuenses.

AA

Assembleia Municipal Dezembro de 2013

Imagem da Casa das Artes
Casa das Artes, arcos.

A última Assembleia Municipal de 2013, primeira em que efectivamente se discutiriam as políticas para Arcos de Valdevez do novo mandato autárquico, decorreu no dia 20 de Dezembro, às 15:30.

No período antes da ordem do dia, tirando as normais intervenções políticas, há a referir duas moções. Uma da CDU, relativamente aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, que não pode votar a favor devido às considerações políticas de principio que estavam implícitas, apesar de estar naturalmente preocupado com o futuro dos trabalhadores. Espero que, nesta questão o governo tenha razão e de facto aquela empresa comece a trabalhar e contribuir para o enriquecimento de todo o distrito, que tanto precisa.

Foi aprovada por unanimidade uma proposta apresentada pelos grupos do PSD e PS no sentido de apresentar a discordância quanto à alteração no mapa judiciário e à retirada das competências do tribunal de Arcos de Valdevez. Só lamentamos que não tenham contactado o grupo municipal do CDS-PP para a moção ser conjunta. Todas conhecem as forma abnegada com que  o CDS Arcos se tem oposto ao encerramento dos serviços públicos no concelho, como as urgências. Talvez seja por isso…

Relativamente aos pontos da ordem do dia, deixarei para outro artigo o ponto relativo ao Plano e Orçamento. Quanto aos outros pontos, algumas notas:

  • Questionei o Sr Presidente da Câmara a razão de os assuntos apresentados pelos vereadores do CDS Arcos não aparecerem no relatório de actividades… respondeu que estava nas actas!
  • Questionei sobre o acordo entre a Câmara e a Santa Casa da Misericórdia, sobre o edifício do antigo seminário… Não respondeu!
  • Questionei sobre a razão de não abrir o trânsito na ponte centenária… disse que estava em discussão no Plano de Pormenor de Arcos Sampaio (a questão é, se está previsto, é porque se considera que é necessário e se ninguém questionou essa abertura, é porque concordam com ela… porquê o adiamento dessa medida essencial?)
  • Relativamente ao regimento da Assembleia Municipal, será discutida pelos grupos municipais, relativamente à redação de alguns pontos, e será aprovada na próxima reunião da Assembleia Municipal.
  • Mais uma vez aprovamos com agrado a isenção para jovens do IMT.
  • Finalmente uma medida que desde à quatro anos nos debatemos: a TDP  com taxa nula. Era interessante rever aqui os argumentos do PSD no passado para a aplicarem… mas, ainda bem que mudaram de opinião! Os arcuenses ganham com essa mudança e isso é o mais importante!
  • As taxas municipais foram actualizadas de acordo com a inflação. O ano passado defendi uma actualização de 10% da inflação, o que dava quase 0,3%. Este ano é de 0,56%, não havendo justificação para votarmos contra. No entanto, isso não implica que achemos que algumas taxas estejam demasiado altas e que deveriam ser revistas. Se queremos revitalizar o comércio, temos que ter essa atenção!
  • Naturalmente votamos contra a autorização da Assunção de Compromissos Plurianuais. Se não fosse esta aprovação extemporânea, que vai contra o espirito da lei dos compromissos, teríamos discutido na Assembleia Municipal o projecto para Paço de Giela e teríamos desmascarado a extravagância que é este projecto (dedicarei um artigo a este projecto brevemente).
  • Achamos interessante o apoio da Câmara à contratação por parte das freguesias de cantoneiros. Espero que este programa tenho sucesso, porque a limpeza das estradas e caminhas é importantíssimo para um dos vectores que preconizamos para Arcos de Valdevez: o Turismo!

Álvaro Amorim

Vamos brincar às colaborações!

Pelourinho, Arcos de Valdevez
Pelourinho, Arcos de Valdevez

Isto é assim: agora faço de conta que quero colaborar e a seguir não aceito o teu pedido de colaboração! Ou aceitas ou sais do jogo!

Nos discursos de tomada de posse, na instalação dos órgãos autárquicos arcuenses, ouviu-se falar muito de colaboração.

O PSD, como partido mais votado afirmou que gostava de ter a colaboração de todos. E todos disseram que estavam dispostos a colaborar. O CDS Arcos referiu no entanto, que essa colaboração não passaria, naturalmente por apenas validar as opção do PSD!

A primeira colaboração foi apresentada pelo Presidente da Câmara, para elaboração do Plano e Orçamento para 2014.

Após quase duas horas de discussão sobre medidas de actuação sobre vários temas, o Presidente da Câmara pediu por escrito as nossas propostas! E nós respondemos que queríamos as da câmara e que depois deveríamos voltar a reunir para ver como poderíamos integrar os pontos de vista dos dois partidos. Se não estava prevista uma nova reunião, não fazia qualquer sentido nós deixarmos as nossas propostas, para simplesmente o PSD pegar no que lhe interessava! Naturalmente temos muitas propostas, mas temos algumas que julgamos mais urgentes e mais importantes e essa coordenação, entre propostas do PSD e CDS-PP teria de ser feita em conjunto! É que, se era apenas para ter as nossas propostas, nós fizemos isso, via vereador do CDS Arcos, e todas as nossas propostas foram apresentadas, por escrito.

Não julgamos que tenha sido melhor forma de atuação do PSD.

Também percebo, agora, depois da discussão do Plano e Orçamento na última Assembleia Municipal, as palavras elogiosas do Presidente da Câmara ao deputado da CDU. A congratulação deste deputado pela inclusão de um parque de caravanas e o voto de abstenção! Naturalmente, o PSD não pode esperar do CDS Arcos fique satisfeito com uma qualquer obra! Temos uma visão integrada para o concelho e é com base nessas orientações que decidimos o que quer que seja.

Esta colaboração, tanto apregoada pelo PSD, teve o seu epíteto na eleição de 4 elementos para a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco (CPCJ), de Arcos de Valdevez. A bancada do CDS Arcos, propôs uma lista única, com elementos de todos os grupos da Assembleia Municipal. Esta proposta foi acolhida com interesse pelo Grupo Municipal do PS e pelo deputado da CDU. O PSD referiu que, se queríamos colaboração, deveria a líder da bancada do CDS ter contactado a líder da bancada do PSD antes da reunião da Assembleia Municipal, que já tinha um grupo de pessoas com “diferentes sensibilidades políticas” (como se isto fosse possível no PSD dos Arcos)!

Isto leva-nos a uma conclusão: Quando o PSD quer ficar bem na foto, convida os outros grupos municipais a ver se com um rebuçado os pões do seu lado. Quando vê que esse rebuçado é partilhar algo, como uma coisa tão importante para as crianças e jovens, mas sem qualquer interesse político, que é a presença na comissão da CPCJ, simplesmente ignora os outros!

Havia quem dissesse que com uma nova liderança, o PSD fosse diferente! Nunca tive tal expectativa e, ao fim de 3 meses, a máscara caiu!

Álvaro Amorim

Mais estatísticas…

Poder de CompraO Jornal de Negócios, apresenta um estudo, com base nos dados do INE, onde mostra o poder de compra por município, no país.

Como seria de esperar, as capitais de distrito, são as que apresentam melhores resultados, o que se compreende, pois é lá que está a maioria da riqueza. Não é de estranhar que, com políticas sucessivas de desertificação do meio rural, quem tem posses fuja para os centros urbanos. No entanto, os eleitos locais também têm muita culpa, desenvolvendo políticas de atração de riqueza, antes fomentando a fuga da gente mais qualificada e por isso com maiores possibilidades de gerar riqueza. Aquilo que se passa a nível nacional, da emigração de talentos, pode-se replicar à maioria dos municípios. É claro, os grandes centros nem precisam fazer muito para a riqueza toda ir lá parar!

Arcos de Valdevez aparece neste mapa num modesto 237º lugar.  Mas, claro, com as políticas que tem sido seguidas por terras arcuenses, é natural que os sucessivos rankings que se vão elaborando nos coloquem sempre em posições que pouco nos orgulham, sempre muito abaixo das médias nacionais.

O estudo pode ser consultado em:

Ranking do Poder de Compra

AA