Assembleia Municipal, Julho 2013

Imagem da Casa das Artes
Casa das Artes, arcos.

Havendo eleições para os órgãos das autarquias locais em Setembro, julgava que esta seria a última assembleia deste mandato autárquico. Por isso, associamos a necessidade de discutir a taxa de IMI para 2014.

Foi com espanto que o Sr. Presidente da  Assembleia Municipal nos informou que seria a penúltima reunião da Assembleia Municipal.

No período Antes da Ordem do Dia, fizemos um balanço deste mandato e mostramos alguma preocupação para o futuro, devido à situação de endividamento do município e com as condições sócio-económicas a agravarem-se, ainda mais agora com uma possível crise governamental.

De realçar, neste período, a acusação do PS ao executivo de conseguir boicotar a elaboração de listas aos diferentes órgãos autárquicos.

É, infelizmente, uma realidade o medo que encontramos nas pessoas com que conversamos e que convidamos para o nosso projecto. Há as que tem medo que a licença de construção não venha aprovada, que o filho, sobrinho ou primo seja despedido do emprego, que o projecto que estão a pensar desenvolver seja boicotado… etc. Listas quase feitas, que de um momento para o outro desaparecem! Esta é, actualmente, a realidade do nosso concelho.

Outro tema abordado, foi a qualidade da água da Praia da Valeta. Mais uma vez foi levantada a possível perseguição, não percebi muito bem por parte de quem, ao município. Mais uma vez o Sr. Presidente ameaçou fazer queixa nos tribunais e houve quem, do partido do executivo, que propusesse não colaborar e esquecer as bandeiras “… eles que fiquem com elas.” Esquecem-se é que o turismo tem que ser uma forte aposta do nosso concelho e, temos que atrair gente de fora que possam trazer dividendos ao nosso comércio.

A nós, interessa-nos um Rio Vez com qualidade, por duas razões: Garantir aos Arcuenses um rio que nos proporcione condições balneares de excelência; Garantir um Rio Vez que atraia turistas e que para isso tem que ter uma bandeira atribuída por entidades idóneas que a classifiquem como excelente.

Infelizmente, por negligência do nosso executivo Municipal, só daqui a 5 anos poderemos ter a bandeira dourada da Quercus, isto se mais nenhuma análise mostrar a existência de coliformes fecais!

Um deputado questionou-se como é possível a água estar poluída se não há incêndios, não há vacarias, não há industria… Esqueceu-se de referir bombas de referir as bombas de gasolina que existem a montante e esgotos domésticos que podem estar a ser lançados ilegalmente no rio. Aliás, é elementar, que se perceba que a existência de coliformes fecais é sinal de contaminação fecal, que neste contextos só pode de esgotos domésticos e, atendendo aos valores, em quantidades significativas!

Não me convenço, não acredito, que o SNIRH e a APA estejam a perseguir o concelho de Arcos de Valdevez. Mais depressa acredito numa manobra para justificar uma piscina externa…

Dos pontos da ordem de trabalhos, escreverei noutros artigos, do IMI e Compromissos Plurianuais, que foram os que geraram alguma discussão.

AA

A política, no Notícias dos Arcos

Arcos de Valdevez, Ponte centenária
Arcos de Valdevez, Ponte centenária

Ao ler o Editorial do “nosso” Notícias dos Arcos, não posso, de uma forma geral deixar de concordar com o que é dito, sobretudo com a parte em que “quando entram diretamente na política “…“sem nunca ter tido profissão ou caminho fora dela”…”

Ao ler isto, lembrei-me de um texto do nosso Presidente da Assembleia Municipal, que falava de “reciclagem de políticos antigos”! Para quem estaria o Sr. Presidente a falar? Quem, nestas eleições está a ser reciclado?

Quem, abandonado o cargo de vereador, andou 4 anos por cargos de nomeação em que, quem nomeava, era um presidente de câmara?

Neste contexto, o CDS-PP de Arcos de Valdevez só pode orgulhar-se do seu percurso. Todos nós temos uma carreira, antes da política, de que nos podemos orgulhar, em diferentes áreas, quer na advocacia, na engenharia ou como professores. É certo que conseguimos um cargo, que muito nos orgulha, a nível do  Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, um dos ministérios que até tem feito melhor trabalho. Basta olhar para a taxa de execução dos fundos europeus e comparar com os governos anteriores… Mas isso, também foi conseguido pelo reconhecimento da competência da pessoa convidada, que antes tinha uma carreira irrepreensível no domínio do direito.

Assim, quando nos apresentarmos nas próximas eleições autárquicas, será com o crédito de 4 anos de defesa dos nossos princípios e a certeza de que defenderemos nos próximos 4 anos, com as as armas que os arcuenses nos derem, o nosso programa de desenvolvimento para Arcos de Valdevez, muito diferente, como foi evidente, do propostos pelos outros partidos arcuenses.

AA

Assembleia Municipal de 21 de Junho 2011

Já em pleno Verão, realizou-se mais uma Assembleia Municipal do Município de Arcos de Valdevez.

Havia apenas 4 pontos na ordem de trabalho, o 1º, referente ao relatório de actividades do executivo municipal. O 2º, a declaração de benefícios fiscais à Sarreliber. O ponto 3, a “Proposta de decisão de autorização para dissolução e extinção da  “ASDEVAL” associação de desenvolvimento social. O último ponto, era a proposta para a extinção da “Arcosgest”.

A assembleia ficou marcada por duas situações, uma lamentável e outra que nos orgulha:

Em primeiro lugar, o Sr. Presidente da Câmara, perante um protesto do deputado do PS, Dr. Jorge Lage por o edil não lhe responder às questões, declarou que já há muito tempo que ignorava as suas questões e que nunca mais lhe responderia, e que não era obrigado a isso por lei. Claro que, institucionalmente, não parece nada bem esta postura. Os deputados e os elementos do executivo são eleitos democraticamente pelas populações e isso tem que ser respeitado. Infelizmente, estas atitudes são frequentes, e fazem-nos lembrar o corte de relações com a direcção dos Bombeiros. Tal como essa, espero que as boas relações institucionais regressem a esta assembleia, em relação a todos os deputados.

Por fim, o grupo do CDS foi acusado de fazer oposição, tendo sido dito que mais parecia que o acordo nacional para a governação do país foi feito entre o PSD e o PS! Da nosso parte, é com orgulho que dizemos que continuamos a defender o que nos parece melhor para o concelho, independente do que se passa a nível nacional ou mesmo em possíveis consequências que esse acordo possa a nível autárquico. O nosso compromisso é com os arcuenses e com aquilo que prometemos. Somos independentes, autónomos e responsáveis.

Continue reading “Assembleia Municipal de 21 de Junho 2011”

Boas novas…

E o dia D, aconteceu!

Portugal mudou, espero que valha a pena e que o próximo Primeiro Ministro me surpreenda positivamente. Espero que, ao contrário do que tenho dito nos últimos anos, possa dizer “estava enganado, o homem governou bem…”

Em relação ao CDS-PP, não posso dizer que não fiquei desiludido com os resultados no distrito, no concelho e mesmo na minha freguesia. Foi uma pena não elegermos um segundo deputado. Talvez o “empate técnico” das sondagens nos tenham prejudicado. Talvez o facto de termos feito uma campanha com trabalho mas sem muitos meios não fosse tão visível. Mas, não podíamos gastar o que não tínhamos…

A Drª Carolina agradeceu a todos os que trabalharam com ela. Eu, só posso pedir desculpa por não ter conseguido trabalhar mais.

Da minha parte, continuarei a trabalhar como até aqui na Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez para na próxima merecer mais confiança dos arcuenses.

AA

O dia D para Portugal

Candidatos do CDS-PP, no Mercado Municipal de Arcos de Valdevez

No próximo dia 5 de Junho, Portugal vai a votos.

Para Portugal, pode ser o dia D! O dia da viragem, rumo a um futuro com alguma esperança.

O próximo governo, sairá da combinação de dois ou três partidos. Os cenários são vários. Dois bastante remotos: o CDS ganhar e o PS ganhar. O primeiro, seria mesmo uma revolução em Portugal, infelizmente o Homem tem medo da mudança, e só em situações extremos segue esta via. A própria evolução das espécies segue este padrão, longos períodos relativamente calmos e pequenos períodos de grande mudança. O segundo, se acontecer, só tem viabilidade se o Sr. Pinto de Sousa abandonar, porque não sendo uma pessoa de confiança, ninguém governará com ele. O terceiro cenário é o mais certo: O PSD ganhar, sem maioria absoluta, e fazer governo com o CDS. Mas aqui, o dia D de portugal será maior, quanto mais influência o CDS tiver nas políticas do país…

O que podem fazer os Arcuenses, e de uma forma mais alargada, todos os alto-minhotos. Continue reading “O dia D para Portugal”