Assembleia Municipal 29 de Abril

1349747
Câmara Municipal

Depois de várias reuniões da Assembleia Municipal em que não pude estar presente, regressei para a reunião realizada em 29 de Abril.

Nesta reunião, o único ponto politicamente relevante, seria a discussão e aprovação do relatório e contas de 2015.

Apesar de uma melhoria relativamente à divida do município, esta continua elevada. Também se demonstrou que os impostos cobrados aos arcuenses poderiam ser mais baixos, mas o executivo liderado pelo PSD continua a não perceber que precisamos ser competitivos em relação aos nossos vizinhos, neste aspecto. As reservas do ROC mantém-se ano após ano, sem que sejam resolvidas, o que não dá garantias do valor do património municipal.

O relatório é o reflexo de políticas com as quais não estou de acordo e por isso não podia votar favoravelmente. Mas, a certificação do ROC diz-nos que as contas estão correctas, pelo que a abstenção foi a opção escolhida.

A reunião da Assembleia correu sem grandes polémicas, tirando uma outra picardia entre PS e PSD que por vezes não sabem ocupar o seu lugar. Mas devo realçar que, desta vez, o PSD não se deixou envolver nos ataques menos correctos feitos pelo PS.

No Período antes da ordem do dia as costumes referências ao 25 de Abril, recentemente comemorado, e os costumes louvores a pessoas e entidades que de alguma forma se destacaram nos últimos tempos.

No ponto um, questionei o Sr. Presidente da Câmara relativamente à política de arborização da sede do concelho e o recente abate de varias árvores (no seguimento do meu artigo anterior). Também questionei relativamente ao acesso ao Parque Empresarial das Mogueiras, que a câmara pretende executar.

Relativamente às árvores, a resposta não foi convincente. Refugiou-se no facto de, segundo o Sr. Presidente, haver um plano acompanhado por arquitetos paisagísticos da UP, mas não justificou o abate irracional das árvores na margem do Rio Vez. Não justificou a substituição das árvores ornamentais nos locais onde estavam bem instaladas.

Relativamente ao acesso ao Parque Empresarial das Mogueiras, basicamente disse que era uma sorte, porque assim iria melhorar a N202. Como que se a melhoria do piso não fosse uma obrigação da empresa Infraestruturas de Portugal (IP) e não seja de uma enorme incompetência do executivo ainda não ter conseguido a resolução da situação. Referiu que a IP não cria um novo nó a 1Km do existente. Mas não respondeu às questões: Há algum estudo sobre o nº de camiões pesados que utilizarão este acesso diariamente? Os Presidentes de Junta das freguesias afectadas têm conhecimento? Qual o impacto junto do lar de idosos e creche em Guilhadeses e nas zonas onde existem casas à face da estrada? Como justifica um acesso a um parque empresarial, por vários km de zona urbana? Sobre este assunto, conto escrever um artigo brevemente.

AA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s